sexta-feira, novembro 17, 2006

Este julga-se o D. Sebastião

Santana Lopes não põe de parte a hipótese de voltar a ter cargos políticos importantes, incluindo o de Primeiro-Ministro.

Alega também que houve "uma convergência objectiva de interesses", entre Jorge Sampaio e Cavaco Silva, para a sua destituição do cargo que deteve por uns meses, após oferta de mão beijada de Durão Barroso.
Eu diria que a "convergência de interesses" veio de todos os portugueses que conseguem ler na testa de Santa Lopes uma mensagem óbvia: "Eu sou um desastre!".

1 comentários:

Em 20 novembro, 2006 22:27, Anonymous capitolina disse...

Tadinho, mas ele nã vê mais ! Ele nem tem consciência de que foi ele que levou todo o mundo a deixá-lo cair. Deixá-lo falá-lo.
E... quem sabe se a falta de memória deste povo lhe não apõe novo prazo de validade.

 

Enviar um comentário