quinta-feira, agosto 23, 2007

Marketing ou desonestidade?

Todos conhecemos algumas das técnicas de marketing e vendas usadas nos super e hipermercados, desde a altura a que se colocam os produtos, até às "ilhas" com promoções, passando pelos topos dos corredores. A sociologia - no que se refere a prever o comportamento dos potenciais compradores - deve ter já uma grande influência nas decisões das empresas vendedoras.
Mas se nada disto se afigura ilegal, ou sequer ilegítimo, já algumas outras técnicas me suscitam sérias dúvidas.
Refiro-me, por exemplo, à ideia que é passada aos compradores de que, comprando quantidades maiores, os produtos saem mais baratos. Uma vez instalada esta ideia, as lojas e/ou os fabricantes conseguem, muitas vezes, enganar (não há outra palavra para isto) as pessoas, levando-as a comprar mais quantidade a preços mais altos, à custa das embalagens ditas "familiares" ou "económicas".

Dois exemplos concretos e fresquinhos, com que me deparei ao fazer algumas compras on-line:
a) Um produto A é vendido em 4 tipos de embalagem: 1, 3, 6 ou 9 unidades. Curiosamente, o modo de comprar mais barato é comprando as embalagens de 6 unidades. No entanto, é a embalagem de 9 que, na caixa, se "gaba" de ser económica. Não será isto publicidade enganosa?
b) Uma garrafa de um conhecido refrigerante custa 1,10€. Uma embalagem "económica" de 4 garrafas custa 4,39€. Conclusão: para poupar 1 cêntimo (!), o comprador acaba, na verdade, a gastar mais pois, provavelmente, só estava a pensar comprar 1 ou 2 garrafas, e acaba a levar 4.

Há que reconhecer, no entanto, que os hipermercados acabam por nos ajudar a lidar com este problema, ao porem nas etiquetas dos preços o custo por unidade ou quantidade, o que permite fazer uma comparação directa sem grandes contas. Cabe-nos a nós, consumidores, ter o cuidado necessário para não nos deixarmos enganar.

1 comentários:

Em 29 agosto, 2007 22:38, Anonymous capitolina disse...

É preciso andar sempre de òlhinhos muito abertos e com a matemática à flor do pensamento...pra não cair nas redes do marketingue...

 

Enviar um comentário