quarta-feira, setembro 20, 2006

Água de colónia

A maior parte dos tarifários de água canalizada, determinados a nível municipal, são baseados em escalões. Quer isto dizer que quanto mais água se gasta mais caro é cada litro (ou m3).
Até aqui tudo bem - a água é um bem precioso, há que incentivar a poupança, e obrigar os esbanjadores a pagar por o serem.

O problema é que os escalões não têm em conta a dimensão do agregado familiar. Não é preciso ser-se um ás da matemática para se perceber as consequências imediatas disto: quanto maior a família mais cara custa a água! Por mais poupada que seja uma família grande, acaba a pagar mais por cada litro de água do que uma família pequena.

Eis um exemplo real: no concelho de Cascais, a minha família (6 elementos) paga, por m3 de água, o dobro de uma pessoa que viva sozinha (assumindo um consumo per capita de 3,5 m3 mensais).
Alguém me consegue explicar a lógica disto?

A Associação Portuguesa de Famílias Numerosas tem vindo a alertar as Câmaras Municipais para esta situação, mas até ao momento apenas 18 dos 308 concelhos existentes em Portugal aceitaram adoptar um tarifário mais justo.

Pessoalmente, já escrevi para a Câmara Municipal de Cascais e para a empresa Águas de Cascais, mas nem resposta obtive.

Por este andar, qualquer dia passo a lavar o rabinho com água de colónia. Sempre sai mais barato...

1 comentários:

Em 20 setembro, 2006 23:44, Anonymous Natacha disse...

Mais barato e mais cheirosinho!

 

Enviar um comentário